Em Fallout 4, você inicia a sua jornada escolhendo e customizando seu personagem, como foi visto na E3 2015.

Estamos nos anos 2077 e o mundo evoluiu em consumo nuclear, a sociedade é capaz de produzir praticamente todas as coisas que você presencia no jogo com essa fonte energética: carros, robôs, TV’s, sistemas de aquecimento, entre outros. Isso é usado até a exaustão de recursos, o que leva a uma nova guerra. Tudo com uma estética dos anos 50.

Instantes antes desse primeiro ataque nuclear, o jogador é levado para uma “Vault” (espécie de abrigos, tais como são os bunkers) de número 111 e lá sofre um processo de criogenia junto de sua família, permanecendo por congelado por 200 anos.

Logo após o início da história você será jogado em um caos pós-apocalíptico, um RPG de ação em mundo aberto, em primeira ou terceira pessoa (o jogo dá a liberdade do jogador poder escolher a câmera de preferência com um simples botão) – como é o caso de Fallout 3 e o New Vegas, onde é preciso sobreviver aos mais diferentes animais mutantes, facções de humanos, Super-Mutantes, Ghouls, Raiders, Synths e os Ferals que te atacam.

O diferencial deste Fallout está na diversidade de abordagem. Vamos falar em detalhes sobre alguns dos principais pontos, caso contrário se não selecionássemos, acredito que teríamos milhares de páginas neste review.

Diálogos

A narrativa é absurdamente grande. Digo isso pois, além da interação com personagens aleatórios, a história central não perde para nenhum roteiro de “Beyond: Two Souls”, por exemplo.

As escolhas que serão exibidas em 4 opções – como em Mass Effect, abrirá árvores de possibilidades e, o desenrolar te prende. Eles tem muito conteúdo e não são somente um “blá blá blá” desnecessário. Todos importam, abrem novas missões paralelas que contarão no ciclo interminável de progressão do jogo.

Missões Paralelas

Falando em missões paralelas… a quantidade é intrigante! Elas contarão como experiência para o desenvolvimento do seu personagem e terão consequências para sua história central. Acontecem em um simples bate-papo com um personagem aleatório, ou já estão vinculadas a missão principal.

Outro fato que deixará o jogador muito impressionado: lixo. Muito lixo, em todo lugar… e todos interativos! Mas nem tudo é lixo qualquer. Dele é possível reutilizar para aprimorar uma arma, uma armadura de defesa, suas defesas de território e assim por diante. As aplicações são as mais diversas imagináveis e se você se preocupa em explorar todos os cantinhos dos cenários, se prepare, pois esse jogo pode literalmente sugar sua vida.

Fallout_4_Perk_Poster_web

Assim como o jogo mobile que foi lançado antes, você pode administrar as habilidades do seu personagem no famoso S.P.E.C.I.A.L. E nele não há limites. Chegamos ao nível 30 e só havíamos começado a preencher a primeira linha, para vocês terem uma ideia básica.

Quando um novo nível é alcançado, ele se converte em 1 ponto de especialização. Esse ponto é aplicado acessando o Pip-boy e o jogador será redirecionado para uma cena como a do cartaz acima. O aprimoramento se transformará em uma estrela para ser aplicada na habilidade que você deseja ampliar para o seu personagem. Gostei bastante disso, é flexível e respeita a estratégia do jogador.

Muitos haviam visto somente o cão, Dogmeat, como possível companheiro, mas em Fallout isso pode variar muito. Durante a jogatina o jogador poderá escolher até alguns personagens que se apresentarão durante as missões paralelas. 

Há inclusive em um momento você tornar um super-mutante seu “companion”.

Dogmeat

Logo ao sair da vault você consegue um desses “Pip-Boys” vistos na imagem acima. O aparelho te auxilia em vários momentos do jogo dando acesso a estatísticas, mapa e até dados sobre os itens recolhidos. É em sua tela que você também pode curtir os mini-games durante o jogo, trocar de estação de rádio (algumas que inclusive te concederão bônus), ativar lanterna e etc…

O Pip-boy pode ser acessado através do aplicativo que existe para os celulares, aonde mesmo offline do jogo em seu console, você poderá editar o que precisar.

PipBoy

O combate é intenso e muito dinâmico. Cuide muito das habilidades que dependem dos “V.A.T.S” (Vault-Tec Assisted Targeting System), pois com eles você melhora sua precisão e facilita na hora de derrotar alguns monstros. Digo isso, pois durante o combate em tempo real é possível manter a cena em slow-motion, selecionar quais partes do seu inimigo terão probabilidade de serem atingidas e para isso, variar o ângulo em que seu personagem se encontra no combate. Aumentando assim seu índice de sucesso e upando seus níveis mais rapidamente.

Novidade apresentada na E3 2015, o crafting é um novo recurso incrível de Fallout 4. Acredito que pode ser dividido em 2 partes. Quando você recolhe alguns lixos durante o jogo, elementos destes ou partes se tornam úteis na construção de várias estruturas.Essa é a primeira delas, pois se vinculam ao desenrolar do jogo profundamente, onde é possível fazer a sua própria casa, decorá-la, construir torres, laboratórios, equipar melhores defesas para seu território, melhorar sistemas de energia e bombas d’água. Isso impacta a criação de vilas -se que podemos nominar assim- dentro da história.

A segunda parte é com as armas. Muitas partes do lixo são possíveis de aproveitar implementando melhorias nas suas armas e isso é refletido em combate, claro.

Crafting1

Dentro da trama, você esbarra em vários tipos de formas de vida. Como citei anteriormente, os inimigos que aparecem com frequência são os como os animais mutantes, facções de humanos, Super-Mutantes, Ghouls, Raiders, Synths e os Ferals. Como se não bastasse, há também formas de vida robóticas. Um caso interessante é que durante o gameplay, o jogo te fornece informação sobre aliens, como havia em New Vegas, mas até onde joguei não tive um encontro direto.

Também é possível fazer amizades com outras espécies que naturalmente seriam seus inimigos, mas quanto a isso não falarei muito para evitar spoilers de uma linha da narrativa.

É impossível não deixar de falar da quantidade de bugs. Pelos meus comentários acima podem perceber a quantidade de elementos que o jogo possui e claro, isso pode acarretar em bugs de diferentes formas. Alguns atrapalham seu gameplay e isso é um grande ponto negativo de Fallout 4. Principalmente em diálogos e combate, quando o texto não aparece ou, seu companion não funciona como deveria, se machucando ou até mesmo não retornando para seu personagem, como é de seu comportamento habitual. Listei algumas imagens um tanto engraçadas dos bugs possíveis. Confira:

bug1 bug2 bug3

bug4

Em resumo, é impossível falar de Fallout 4 e não compartilhar muita informação. O jogo impressiona pela quantidade de possibilidades durante o gameplay, por conteúdo criado e inovação com o crafting. Há o claro desejo da Bethesda que você explore o jogo após completar a missão principal, pois há portas e outros itens trancados que possuem níveis diferentes para serem destravados. O que abre possibilidade de fomentar o universo do jogo após finalização.

Fallout 4 é incrível, um jogo imenso, com conteúdo relevante e que apesar dos gráficos inferiores a outros jogos dessa mesma geração, não deve em nada para te trazer um mundo único.